Professores do Prado lotam a câmara de vereadores para cobrar da Prefeita o pagamento do precatório (Fundef)


O plenário da Câmara de Vereadores de Prado, no extremo sul da Bahia ficou lotado de professores e pessoas que apoiam o rateio do precatório (Fundef) para com os professores da rede de ensino municipal.

O advogado do Sindicato dos professores, o Sr. Hilter Oliveira Medeiros, fez uso da tribuna, para explicar o que diz a Lei e sensibilizar os parlamentares, onde seja destinado 60% para os professores e 40% para a gestora usar na área da educação ao seu critério. Ainda de acordo com o advogado a prefeita do Prado Mayra Brito, optou por bloquear o valor que é de direito da categoria.

Não satisfeitos com as decisões da prefeita, os professores decidiram se reunir na Câmara para que os parlamentares possam cobrar o pagamento do recurso. De acordo com informações, o valor representa um montante de R$ 27 milhões.

Por Lei, os precatórios do Fundef devem ser divididos para o município e os profissionais, ficando 60% do valor para os professores e 40% para o município.

O vereador Odilei Mattos criticou a postura da prefeita em não atender o que de fato manda a Lei. Já o vereador Professor Boloca disse em seu pronunciamento que, a prefeita quer fazer igual ao prefeito de Alcobaça que segundo ele, não pagará aos profissionais da educação. Ele afirmou que a classe não irá aceitar qualquer decreto expedido pela prefeita para gastar os 100% dos recursos.

O vereador professor Hilton disse que estará a favor da classe a qual ele faz parte e que o valor de 60% tem que ser repassado para os professores da rede pública do município.

O vereador Robertinho, aliado da prefeita tentou justificar a incoerência cometida pela gestora, que de certa forma atropela os direitos dos professores.

A reivindicação foi extremamente plausível e contou com a sensibilidade e o apoio dos 10 vereadores, o vereador Robério Barros não compareceu na Sessão.