Prado: Conheça os encantos e a diversidade das praias de Cumuruxatiba


Conheça os encantos e a diversidade das praias de Cumuruxatiba

Não é mistério para ninguém que Cumuruxatiba é famosa por suas belas praias, onde existem opções para todos os gostos. As praias de Cumuruxatiba agradam pela beleza, variedade, oferece tranquilidade e águas cristalinas para seus visitantes, inclusive riachos de água doce ao longo das suas praias. Algumas ficam distantes do centro, mas a paisagem no trajeto compensa a viagem. A orla do balneário é muito animada e está sempre cheia, seja pelas caminhadas rotineiras na sua extensa praia, pelas apresentações artísticas que acontecem ao ar livre ou para parar nos quiosques para apreciar uma boa bebida ou comida típica.

Foto 02

O balneário fica a 32 km da cidade sede, Prado. O acesso é por estrada de terra muito bem conservada, que lhe dá chance de conhecer belas paisagens durante a viagem, a exemplo das praias do Farol, Amendoeira, Tororão, Paixão e Japara. Chegando ao destino, o encanto está nas praias do centro, Areia Preta, Píer, Rio do Peixe, Moreira, Imbassuaba e Calambrião. Logo na chegando ao distrito de Cumuruxatiba está a sua famosa represa (uma piscina de água doce e corrente), as praias são com belíssimas falésias, praias de areias monazíticas e um píer de madeira que avança um quilômetro mar adentro, embora sua estrutura já tenha sido totalmente desfeita.

Praias, sol, calor, gente bonita e muitas frutas, é o clima subtropical que caracteriza o balneário de Cumuruxatiba e o charme das suas praias primitivas em qualquer época do ano, principalmente no verão. Cumuruxatiba está localizada no litoral norte do Prado, região do extremo sul baiano, cujo município turístico possui a mais extensa malha costeira do estado da Bahia com 84 quilômetros de lindas praias.

Foto 03

Para quem quer fugir um pouco da agitação e preferir lugares mais calmos, com praias virgens e um jeito interiorano trata-se de uma ótima opção para desfrutar de falésias, rios, bicas, ilhas de pedras, cachoeirinhas, coqueiros, represas de água natural, praias modeladas, gente linda, frutas naturais, muita sombra e as tradicionais moquecas de peixe e mariscos diversos.

Foto 04

Local obrigatório para se conhecer é a praia da Foz do Rio Cahy, onde a esqudra portuguesa de Pedro Álvares Cabral ancorou pela primeira vez no recife de Carapebas e o subcomandante, capitão Nicolau Coelho desembarcou em terra firme para cumprimentar os índios pataxó, e foram deste ponto que eles avistaram o monte do Parque Nacional de Monte Pascoal e assim descobriram o Brasil. A localidade era área base territorial da província de Porto Seguro onde até hoje se mantém viva a história do descobrimento, contudo, o local foi primeiro desmembrado administrativamente há 163 anos atrás em (23 de abril de 1855), quando passou a pertencer aos limites do município de Caravelas, mas 41 anos depois, há 122 anos atrás, a Foz do Rio Cahy passou a pertencer o território do Prado por ocasião da sua emancipação política em 2 de agosto de 1896.

Foto 05

A marca da história do primeiro contato entre os índios e a esquadra de Pedro Álvares Cabral, na Foz do Rio Cahy, antes da chegada da expedição ao ponto base de Porto Seguro continua sob a visão de quem visita o local até hoje. Mais de 500 anos se passaram, e o cenário dessa região a partir do rio Cahy em Cumuruxatiba, ainda é o mesmo do Brasil dos primeiros anos. Extensos colares de praias brancas, onde deságuam os mesmos rios. Barras verdes de matas e de mangues. Barreiras calcárias de tons rosa. Inclusive, só é possível avistar o Monte Pascoal em águas do litoral de Prado, na costa da foz do Rio Cahy.

Aliás, o balneário de Cumuruxatiba e a Foz do Rio Cahy são locais tratados com maestria nos livros “Folia das Palavras”, “O Poeta que Comprou o Mar”, “Imbassuaba”, “Do Assessor de Imprensa ao Assessorado” e “ABC do Jornalismo”,  obras do escritor e jornalista Athylla Borborema, um dos filhos mais ilustres do município de Prado e é quem melhor historiógrafa a memória e as belezas das praias de Cumuruxatiba em suas premiadas obras literárias.

Foto 06

Além das suas belas praias, Cumuruxatiba ainda é premiada pela floresta costeira, úmida e cheia de charme onde nada fica a dever, em termos de pujança, a outras regiões, comparada a hiléia amazônica. O balneário com cerca de 5 mil habitantes, possui um comércio estabilizado e têm o seu distrito superlotado pelos turistas todo período do verão com a finalidade de curtir seus atrativos naturais e folclóricos, ocasião que a economia do lugar fica impulsionada.

Foto 07

O balneário tem se destacado no verão, também pelo alcance da produção das suas frutas tropicais típicas do nordeste, como: cocos, mangas, umbus, siriguelas, cajus, goiabas, araçás, mangabas, abacaxi, cana, mamão e banana. Maioria delas disponíveis na beira das praias a disposição do banhista, além da influência direta da adocicada água de coco baiana que é sempre sua parceira constante na beira do mar.

Foto 08

O balneário de Cumuruxatiba está em festa sempre no carnaval e principalmente no reveillon e no dia 20 de janeiro, no rastro do mastro de São Sebastião. Nesta época do ano, nativos, descendentes de índios e turistas se misturam para farrear nas ruas do distrito com o mastro da bandeira do santo a reboque. A procissão começa logo nas primeiras horas da manhã do dia 20 de janeiro e só termina no final da tarde. E todo ano, os organizadores da festa prometem muita diversão e batucada.

Embora o padroeiro de Cumuruxatiba seja Santo Antônio, mas tanto no período do Réveillon, quanto no dia 20 de janeiro, é comemorado com glamour o dia do santo “São Sebastião” que tem o seu mastro carregado por uma multidão pelas ruas da cidade, uma tradição desde 1940. Na entrada do ano, o pau é desenterrado e no dia 20 de janeiro, um novo mastro é erguido na frente da Igreja em meio aos festeiros nativos e turistas.

Foto 09

Em Cumuruxatiba está sediada a mais bela piscina de água corrente na entrada do balneário, conhecida por “represa”, onde é servido de ponto de encontro dos nativos e turistas em qualquer época do ano. O balneário que está margeando o Parque Nacional do Descobrimento, já conta com uma grande infraestrutura comercial e os incentivos culturais do lugar cresce a cada ano.

O turista também pode fazer passeios de escuna até os recifes, mergulhos ecológicos, pesca submarina e passeios na mata virgem. Entre estes, refazer o percurso da esquadra de Pedro Álvares Cabral, em uma bela escuna, a partir de Cumuruxatiba até Corumbau ou Porto Seguro, é uma aventura que fará todo turista sentir-se no tempo das caravelas, tendo oportunidade inclusive de ver, como o navegante português, o Monte Pascoal, com a mesma perspectiva do momento do Descobrimento: do mar para a terra.

Foto 10

Por sinal, um mergulho no Rio Cahy é a melhor dica deste atrativo, pois suas nascentes advêm dos Parques Nacionais do Descobrimento e do Monte Pascoal, com águas absolutamente limpas. Desta forma, o Rio Cahy, ainda mantém características da época do descobrimento do Brasil. A foz do Rio Cahy está há 47 Km ao norte da cidade do Prado, há 15 Km do balneário de Cumuruxatiba e há 28 Km da pedra do Monte Pascoal que olhado do mar para terra, o monte está bem aos fundos das falésias, fazendo sombra na praia, numa pura ilusão de ótica, é até hoje a mesma perspectiva de visão em que tiveram os portugueses em 22 de abril de 1500, nós continuamos tendo.

Fonte TeixeiraNews