Denúncia: Calçadas recém-construída pela prefeitura são destruídas por caminhões, em Prado


Prado – Encontrar carros parados sobre as calçadas da cidade não é uma tarefa muito difícil. Desta vez, a reclamação, uma das mais comuns entre os leitores do Prado Notícia, é de uma moradora do Bairro São Brás, em Prado.

Ela fotografou não apenas um, mas vários caminhões estacionados irregulamente na Rua Pernambuco. Pela imagem enviada para o WhatsApp do Prado Notícia (73.99940-7562), é possível notar que fica praticamente impossível a passagem de pedestres. A leitora criticou a desordem dos proprietários dos caminhões.

“Esses donos de caminhões estão usando seus veículos pesados e quebrando as calçadas recém-construída pela Prefeitura. Estão prejudicando os pedestres e deteriorando um bem público”, disse a moradora.

O prejuízo causado por esses veículos aos cofres públicos pode ultrapassar R$50.000,00 (cinquenta mil reais). A secretaria de Obras e Serviços Urbanos informou ao site Prado Notícia, que iniciou novamente os trabalhos de recuperação das calçadas que foram destruídas pelos caminhões.

A pasta solicita o apoio da população para cuidar do espaço público e denunciar qualquer ato de vandalismo.

Legislação

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) aprova o trânsito de veículos em passeios e calçadas somente para que estes adentrem ou saiam dos imóveis e das áreas especiais de estacionamento. Transitar sobre os passeios ou calçadas em desacordo com a permissão acima compreende em infração gravíssima. Somente bicicletas são autorizadas, desde que autorizado e devidamente sinalizado pela autoridade competente.

O CTB define “passeio” como “parte da calçada ou da pista de rolamento, neste último caso, separada por pintura ou elemento físico separador, livre de interferências, destinada à circulação exclusiva de pedestres e, excepcionalmente, de ciclistas”. Já “calçada” é definida como “parte da via, normalmente segregada e em nível diferente, não destinada à estacionamento ou circulação de veículos, reservada ao trânsito de pedestres e, quando possível, à implantação de mobiliário urbano, sinalização, vegetação e outros fins”.