Prado: Vereador Robertinho (PP) pede providências para agilizar o retorno da agência dos Correios em Guarani


Na manhã desta terça-feira (14), durante a Sessão Ordinária na Câmara de Vereadores de Prado, o vereador Robertinho (PP), fez vários requerimentos e solicitou providências para o retorno da Agência dos Correios em Guarani.

O vereador Robertinho, foi autor da indicação, a qual pede para que se estude juntamente com a Gerência de Correios da cidade, a possibilidade de resolver o problema no distrito. Confira:

Governo celebra R$ 37 milhões em convênios com 61 municípios


O governador Rui Costa assinou, na tarde desta segunda-feira (13), em Salvador, convênios que garantem investimentos em infraestrutura urbana, agricultura familiar e saúde em 61 municípios baianos. No total, R$ 37 milhões serão disponibilizados para a realização de obras de pavimentação de ruas, drenagem, macrodrenagem, reforma de estádios, ginásios, mercados e centros de abastecimentos, construção de pontes, aquisição de veículos e equipamentos para agricultores familiares e cessão de uso de bens móveis de saúde. A assinatura ocorreu durante encontro com prefeitos no auditório da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

“Quem me acompanha sabe o quanto eu valorizo a relação com o município. Conseguimos fazer mais e melhor com parceria. No próximo dia 27, faremos novo ato como novos municípios, para que possamos celebrar mais convênios”, afirmou o governador, que ainda reforçou a agenda de inaugurações de policlínicas e hospitais regionais.

As obras serão realizadas por meio de convênios e licitações celebradas pelas secretarias estaduais do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), através da Superintendência dos Desportos (Sudesb), com contratos no valor total de R$ 8,5 milhões; de Desenvolvimento Rural (SDR), com R$ 15,6 milhões; e de Desenvolvimento Urbano (Sedur), por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano (Conder), com investimentos de R$ 11,9 milhões. A Secretaria da Saúde (Sesab) aplicará R$ 1,2 milhão.

A Prefeita do Prado, Mayra Brito (PP), também esteve presente na assinatura e lembrou da parceria que o município pradense mantém com o Governo do Estado. “O Governo do Estado está fazendo a parte dele. Através de parcerias que mantemos, é possível chegar ao nosso município. É assim que Prado vai se desenvolvendo, colocando a crise de lado e usando a força e a vontade para que as coisas aconteçam”, disse.

Vereador Brenio Pires se reúne com a prefeita Mayra Brito para discutir assuntos do município; entre eles o projeto Gabinete Itinerante


Para se aproximar cada vez mais da população, bem como levantar as demandas de cada Distrito de Prado, o vereador Brenio Pires (PR), vai implantar o projeto denominado gabinete itinerante.

O Projeto Gabinete Itinerante é mais uma ação do vereador Brenio Pires que visa aproximar seu mandato da população e assim torna-lo mais participativo.

A intenção do Gabinete Itinerante é estar constantemente presente nos diversos bairros de Prado, de forma a levar toda estrutura funcional e administrativa de que o Vereador dispõe em seu Gabinete para colher as demandas e dar encaminhamento.

“Além do atendimento parlamentar que será realizado, também será prestada assitência jurídica, médica e ação social por meio de voluntários. O intuito é realizar uma edição do Projeto a cada 30 ou 40 dias, de forma que o maior número de pessoas possível possam ser atendidas”, disse o vereador.

“Será uma forma de estar mais próximo das comunidades, das pessoas, levando informações sobre o mandato e colher sugestões, e bem como ouvir as reivindicações dos cidadãos”, ressalta Brenio Pires.

O vereador relatou que os moradores se mostraram satisfeitos com a iniciativa. Disse que a maioria fez questão de saudar o trabalho que será realizado fora do calendário eleitoral.

“As pessoas reclamam do fato de muitos políticos só irem às ruas no período eleitoral. No nosso caso iremos mostrar que somos diferentes”, afirmou.

Durante a manhã da última quinta-feira (09), o vereador Brenio também esteve reunido com a prefeita Mayra Brito (PP), para tratar de outros projetos para melhorias e desenvolvimento do município.

O vereador deu prioridade ao projeto de Lei de criação da Câmara Mirim. O projeto foi sancionado pela prefeita Mayra Brito.

A prefeita também se mostrou totalmente disposta a debater o assunto e discutir outros novos projetos que venham beneficiar a comunidade. Brenio Pires afirmou que vai dar prosseguimento às demandas coletadas por sua equipe por meio de requerimentos e indicações na Câmara Municipal.

Por Assessoria de Comunicação

Canais de Comunicação Parlamentar: 

E-mail: [email protected]

E-mail: [email protected]

Rede Social: 

Facebook: Vereador Brenio Pires

Instagram: @BrenioPires

Exclusivo: PF investiga participação do prefeito de Alcobaça Léo Brito no esquema de fraudes à licitações descoberto na operação fraternos.


A nossa equipe de reportagem teve acesso com exclusividade a informação da investigação sigilosa que recai sobre o atual prefeito de Alcobaça, Leonardo Coelho Brito (PSD), o Léo Brito que é filho do atual gestor teixeirense, Temóteo Alves de Brito (PSD).

Tudo começou na última terça – feira, quando a Polícia Federal (PF) realizou uma operação para afastar os prefeitos de Porto Seguro, Eunápolis e Santa Cruz Cabrália e cumprir mandados de prisão, busca e apreensão e condução coercitiva – quando alguém é levado para depor.

As investigações apontam que os prefeitos, Claudia Oliveira (PSD), de Porto Seguro; José Robério Batista de Oliveira (PSD), de Eunápolis; e Agnelo Santos (PSD), de Santa Cruz Cabrália – que são parentes –, usavam empresas de familiares para simular licitações e desviar dinheiro de contratos públicos. Claudia Oliveira é casada com José Robério e irmã de Agnelo Santos. Os três não foram encontrados pela polícia para a condução coercitiva, havendo sido apresentados posteriormente por seus advogados.

Os três prefeitos foram afastados dos cargos por determinação da Justiça por tempo indeterminado. A PF chegou a pedir a prisão deles, mas o Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou. Os contratos fraudados, segundo a PF, somam R$ 200 milhões.

Ocorre que entre as empresas investigadas, ainda em sigilo, está pelo menos uma empresa (podem haver outras), a MSE transporte e urbanização Ltda, que pertence ao atual Prefeito de Alcobaça, Leonardo Coelho Brito (PSD), o popular Léo Brito, que utilizava Flávia Moreira de Souza para “aparentemente” gerenciar o negócio junto à prefeitura de Eunápolis no primeiro mandato de Robério Oliveira (PSD) à frente do município, Léo Brito foi considerado braço direito de Robério e venceu diversas licitações no município de Eunápolis em valores milionários.

Vale lembrar que o prefeito de Alcobaça Léo Brito e o prefeito de Santa Cruz Cabrália, Agnelo Santos, foram eleitos presidente e vice, respectivamente, da Apes (Associação dos Prefeitos do Extremo Sul da Bahia), para o biênio 2017-2018. A entidade reúne prefeitas e prefeitos de 21 cidades da região. Todos os prefeitos investigados pertencem ao Partido Social Democrático – PSD que na Bahia é presidido pelo senador da república, Otto Alencar.

De acordo com o site ZeroHoraNews a fonte de informação, que será preservada, está buscando mais informações sobre a investigação que corre em segredo.

O site informou que tentou contato com o prefeito Léo Brito (PSD), más, até o fechamento da matéria não conseguiu, e mais uma vez o portal continua aberto para qualquer esclarecimento do alcaide, se houver.

Por Zerohoranews

Operação Fraternos: conheça as empresas e pessoas físicas envolvidas na “ciranda das propinas” do Extremo Sul


Os prefeitos de Porto Seguro, Claudia Oliveira, Agnelo Santos, prefeito de Cabrália, e Roberio Oliveira, de Eunápolis, foram alvos da Operação Fraternos, desencadeada ontem (7/11) na Bahia, Minas e Espírito Santo para desarticular uma suposta organização criminosa criada pelos citados prefeitos. Agnelo já se apresentou à Polícia Federal. Claudia e Roberio se apresentaram por volta das 9h à PF, em Porto Seguro.

Em coletiva de imprensa na tarde de terça-feira (7), Daniel Madruga, superintendente regional da Polícia Federal, delegado-chefe da delegacia e o superintendente da Controladoria-Geral da União na Bahia deram detalhes da operação, que cumpriu 13 dos 21 mandados de prisão temporária expedidos. Além disso, na capital baiana, seis conduções coercitivas, das 18 expedidas, e 20 mandados de busca e apreensão, das 42 determinadas pela PF, foram cumpridas.

Segundo o superintendente regional da PF, existia a participação direta dos prefeitos desses municípios nos atos criminosos, era um grupo de empresas interligadas entre si formadas por parentes para simular concorrência nas licitações, o que ele define por “jogo de cartas marcadas”, em que tais empresas se alternavam na vitória das licitações.

Empresas envolvidas

Segundo o despacho da PF, as empresas são Integra GRP, Betopão, LTX Empreendimentos e Citrino Logística. Com o avanço das apurações, a polícia identificou um “pool” de organizações que teriam sido “virtualmente montadas” para participar de diversos certames feitos pelas administrações, apenas com o objetivo de fraudar o “caráter competitivo” delas e “desviar os recursos públicos destinados à contratação dos serviços licitados”. Ainda conforme a PF, outras não participantes do mesmo bloco empresarial fizeram repasses para Margarete Marinho Santos, a responsável por movimentações suspeitas que chamaram a atenção da PF para um possível desvio de recursos públicos e pagamento de propinas a servidores públicos municipais.

Na representação à imprensa, chegam a ser elencadas sete licitações objeto de investigações envolvendo suposta malversação de recursos públicos federais. Uma delas, da prefeitura de Porto Seguro para compra de merenda escolar, custou mais de R$ 4,5 milhões. Ao fim da investigação, a polícia encontrou indícios de irregularidades em 19 licitações. Elas contaram com a participação das seguintes empresas: Basmar Construtora e Incorporadora; TWA Construções e Empreendimentos LTDA (atual Constante Construções e Serviços LTDA); Refratec Reformas e Manutenção Técnica LTDA; Litoral Sul Serviços Técnicos Especializados LTDA; OMG Construtora LTDA ME; LTX Empreendimentos Construções; Citrino Logística Serviços e Montagens LTDA; Star Multi Eventos e Produções LTDA ME; Steel Empreendimentos e Serviços; TOP Dez Promoção de Eventos Eirelli ME; Betopão Comercial LTDA; Integra GRP Soluções de Software LTDA; Katharina Transportes; Mais Construtora LTDA; OPF Construções; TL Mendes Duarte Turismo e Litoral; Bahia Empreendimentos; e Axé Eventos LTDA – esta tem como donas a prefeita Cláudia Oliveira e sua filha com Robério, Larissa Oliveira, cotada como possível candidata a deputada estadual no próximo ano e que também é secretária de Assistência Social de Eunápolis.

O MPF aponta também que o núcleo político do esquema seria composto pelos três prefeitos, além de Sílvio Naziozeno Santos, apontado como braço-direito do casal Cláudia e Robério, além de Edna de Souza Alves, secretária de Saúde de Porto Seguro. A relação entre Sílvio e Edna vai além de integrar a suposta organização criminosa. Casados, eles teriam montado, enquanto servidores, a empresa Capital Factoring LTDA-ME em Eunápolis, em sociedade com James Almeida Mascarenhas, sócio da empresa Litoral Sul e tio do atual prefeito de Itaberaba, Ricardo Mascarenhas (PSB). James foi alvo de mandado de prisão preventiva nesta terça, no âmbito da operação. O despacho ainda relata como uma empresa de fachada movimentou sozinha R$ 16 milhões dos mais de R$ 200 milhões que teriam sido fraudados em contratos, segundo a PF.

Como descreve o documento, a Mineração Porto Seguro LTDA foi “usada como laranja para lavagem de dinheiro público recebido das prefeituras pelas empresas contratadas de forma fraudulenta, cujos destinatários e beneficiários são os próprios integrantes da Orcrim”. A empresa foi aberta por Sílvio Naziozeno. A quantia milionária teria sido distribuída entre várias pessoas. Na lista dos supostos valores recebidos, de acordo com o despacho, estão Ricardo Luiz Rodrigues Bassalo com mais de R$ 5 milhões recebidos; Douglas Guerreiro dos Santos com mais de R$ 3,9 milhões; e João Lázaro de Assis ganhou mais de R$ 3 milhões.

Já Margarete Marinho Santos teria recebido mais de R$ 1 milhão. Rafaela Santos Reis teria ficado com mais de R$ 1,5 milhão. O dinheiro ainda teria sido distribuído entre outros integrantes da organização, que embolsaram quantias que variaram entre R$ 100 mil e R$ 500 mil. Afastados dos mandatos, os prefeitos devem responder por crimes de fraude à licitação, responsabilidade de prefeitos, associação e organização criminosa, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. Alvos de mandados de condução coercitiva, Cláudia e Robério devem comparecer à PF nesta quarta para prestar depoimento, segundo o advogado do casal. O irmão da chefe do Executivo da Terra do Descobrimento, Agnelo Santos, se apresentou ainda na terça, Claudia Oleira e o esposo Roberio Oliveira devem se apresentar na manhã desta quarta (8).

Veja abaixo lista dos nomes envolvidos no esquema:

Com informações OSollo

Carlos Lero assume prefeitura de Cabrália após cerimônia na Câmara local


Prefeito Agnelo Santos se apresentou ontem (7) à PF em Porto Seguro. Foto: Antônio Carlos

O ex-prefeito de Cabrália, Agnelo Santos, está afastado, segundo decisão da Justiça, por tempo indeterminado, por envolvimento em um esquema de corrupção chamado pela Polícia Federal (PF) de “ciranda das licitações”. Segundo os responsáveis pela Operação Fraternos, desencadeada na terça (7) na Bahia, Minas e Espírito Santo, Agnelo, sua irmã Claudia Oliveira, prefeita de Porto Seguro, e Roberio Oliveira, marido de Claudia e prefeito de Eunápolis, faziam parte de uma quadrilha especializada em fraudar esquemas de licitações, transformando os certames em um jogo de cartas marcadas, segundo o delegado da corregedoria da PF, Daniel Madruga, afirmou.

Prefeito Agnelo Santos se apresentou ontem (7) à PF em Porto Seguro. Foto: Antônio Carlos

Agnelo se apresentou na sede da PF em Porto Seguro, acompanhado de uma advogada, na terça e, hoje (8), às 9h, com um esquema para driblar a imprensa, Claudia e Roberio se apresentaram, também em Porto Seguro. O vice de Santa Cruz Cabrália, Carlos Lero (PSC), assumiu a prefeitura no começo da tarde, em cerimônia na Câmara de Vereadores.

Carlos Lero e Agnelo. Foto: Cabrália Notícias

Lero tem 46 anos, é nativo de Cabrália, pastor evangélico, casado e goza de prestígio moral na cidade, mas tem muito pouca participação na equipe de governo do ex-prefeito.

A expectativa é de que Lero não faça muitas mudanças na administração, ao menos até a definição jurídica da situação de Agnelo na Operação Fraternos.

Em Porto Seguro, deve assumir Beto Nascimento, e, em Eunápolis, Flavio Baioco.

Fonte O Sollo

Prado: Vereadores apresentam requerimentos durante sessão ordinária


Vários requerimentos legislativos, além de verbais foram apresentados na sessão da última terça-feira (07), na Câmara Municipal. O vereador Prof. Boloca (PMDB) reforçou que a Secretaria de Obras reconstrua parte do muro do Colégio Anísio Teixeira que caiu.

A vereadora Luciana da Lookgás, ressaltou a importância do espaço Neam, localizado no Bairro Ribeira. De acordo com a parlamentar o espaço poderia ser muito bem aproveitado pelo poder público.

Na ocasião, o vereador Brenio Pires falou de sua visita no último domingo (05), na Associação de Moradores do bairro São Sebastião (AMBASE) e elogiou o presidente da associação, o Sr Antônio Leal.

“As Associação de Moradores, ou centro comunitários,   são locais privilegiados de execução direta das ações de proteção social básica da assistência social, cujo objetivo é prevenir situações de risco por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, por isso é tão importante investir na preservação desses espaços”, frisou o vereador.

Já o vereador Robertinho (PP), destacou a importância do esporte no desenvolvimento de crianças e adolescentes, que auxilia a afastá-los das ruas e do crime. Lembrou também que, a prefeitura deve ficar atenta à vários campeonatos que são realizados em um único só mês.

Outras temáticas também foram debatidas ao longo da sessão, como turismo, saúde e educação.

Por Claydson Motta | Prado Notícia

Investigado por fraude com a irmã e o cunhado, prefeito de Santa Cruz Cabrália, na BA, se apresenta à PF


Agnelo Santos tinha mandado de condução coercitiva em operação deflagrada nesta terça (7). A irmã e o cunhado dele são prefeitos de Porto Seguro e Eunápolis, respectivamente, e ainda não se apresentaram.

O prefeito de Santa Cruz Cabrália, Agnelo Santos (PSD) se apresentou na Delegacia da Polícia Federal, em Porto Seguro, no sul da Bahia, na tarde desta terça-feira (7), acompanhado de uma advogada. Os prefeitos de Porto Seguro, Claudia Oliveira, irmã de Agnelo, e de Eunápolis, cunhado dele, também são investigados na Operação Fraternos, deflagrada nesta terça-feira pela PF.

Os três prefeitos, alvo de conduções coercitivas, não tinham sido encontrados pela polícia na manhã desta terça. Nem Claudia, nem José Oliveira se apresentaram à Polícia Federal até ás 15h30 desta terça-feira, mas devem ir a unidade policial na quarta-feira (8), informou a PF. Caso os insvestigados não compareçam à unidade policial, a Polícia Federal deve pedir a prisão preventida deles.

Os três prefeitos são suspeitos de fraudar contratos de 33 licitações que somam R$ 200 milhões. Além disso, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão nas cidades administradas pelos prefeitos investigados.

A PF informou que o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1) determinou o afastamento dos três prefeitos por tempo indeterminado e os vice-prefeitos devem assumir. O G1 entrou em contato com o órgão, que disse que ainda não vai se posicionar sobre o caso.

A Justiça Federal determinou, ainda, o sequestro de bens imóveis e automóveis dos investigados, não só dos prefeitos, como de outros investigados também, além do bloqueio de contas correntes para ressarcimento do erário.

A polícia informou também que os contratos já foram mapeados e algumas licitações tem como objeto a contratação de bandas para festas. A origem do recurso ainda vai ser identificada quando a polícia tiver posse dos contratos para ver qual a fonte utilizada para pagamento deles.

Conforme a investigação, o esquema funcionava da seguinte maneira:

  • As prefeituras abriam as licitações, e empresas ligadas à família simulavam uma competição entre elas. Foi identificada uma “ciranda da propina”, com as empresas dos parentes se revezando na vitória das licitações para camuflar o esquema.
  • Após a contratação da empresa vencedora, parte do dinheiro repassado pela prefeitura era desviado usando “contas de passagem” em nome de terceiros para dificultar a identificação dos destinatários. Em regra, o dinheiro retornava para membros da organização criminosa.
  • A PF ainda não especificou se os prefeitos afastados estão entre os destinatários do dinheiro desviado, mas afirma que repasses foram feitos para empresa de Agnelo Santos, prefeito de Santa Cruz Cabrália, que seria utilizada para lavar o dinheiro ilícito.

Investigação

José Oliveira [à esquerda], Claudia Oliveira e Agnelo Santos [à direita], são investigados por fraudes em contratos que somam R$ 200 milhões (Foto: Montagem/G1) (Foto: Montagem/G1)

Os policiais afirmaram que foi organizada uma “ciranda da propina” nos três municípios baianos, em razão do rodízio que era feito entre as empresas envolvidas no esquema de corrupção para vencer as licitações e tentar “camuflar” as irregularidades.

A Polícia Federal destacou que, em muitos casos, os suspeitos “chegavam ao extremo” de repassar a totalidade do valor contratado a outras empresas do grupo familiar na mesma data em que as prefeituras liberavam o dinheiro.

“Uma das empresas investigadas transfere recursos para pessoas que colaboram na ocultação desse dinheiro para dificultar a identificação da origem ilícita desses recursos e esses recursos são repassados a uma empresa pertencente a um dos investigados. Havia vínculo familiar entre as empresas e a competição entre as licitações era falso”, explicou o delegado Daniel Madruga.

Por conta do uso de familiares para cometer as irregularidades, a operação da PF foi batizada de Fraternos. Os investigados, conforme informou a Polícia Federal, irão responder pelos crimes de organização criminosa, fraude a licitações, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

“As empresas que participavam das licitações não tinham ligação aparente com as empresas dos agentes políticos. Era uma série de transferências com objetivo de ocultação do dinheiro para poder fazer o desvio”, disse o superintendente da PF.

Além da Bahia, as ordens judiciais foram cumpridas na manhã desta terça-feira em São Paulo e em Minas Gerais. Cerca de 250 policiais federais atuaram na Operação Fraternos com o auxílio de 25 auditores da Controladoria-Geral da União (CGU) de integrantes do Ministério Público Federal.

“É um crime grave, uma quadrilha que se instalou há quase uma década e hoje, felizmente, a gente está dando o cumprimento dessas medidas com objetivo de estancar essa sangria”, disse o superintendente.

Vídeo polêmico

Operação da PF afasta três prefeitos baianos suspeitos de fraudar contratos de R$ 200 mi
Operação da PF afasta três prefeitos baianos suspeitos de fraudar contratos de R$ 200 mi

Em um vídeo de 2012 divulgado pelo jornal O Globo, a prefeita de Porto Seguro, Claudia Oliveira, simula um discurso político e fala em desvio de recursos públicos. Claudia diz que iria construir uma ponte que custaria R$ 2 bilhões, e que ela ficaria com R$ 1 bilhão”.

À época, ela era deputada estadual, mas já concorria à prefeitura de Porto Seguro. Dois meses depois, ela foi eleita para esse primeiro mandato. Nesse vídeo, ela simula, aos risos, um discurso político, e fala em desvio de dinheiro público. Ela é alertada que está sendo gravada e continua falando em desviar dinheiro e rindo.

“- Eu colocarei emendas, falei projeto para uma ponte que vai beneficiar toda a comunidade. Uma ponte onde serão investidos dois bilhões. Um bilhão eu fico (risos).

– Ô, ‘tá’ gravado, hein?

– (risos)

– Ô, eu ‘tô’ escutando aqui.

– (risos)

– ‘Tá’ gravado tudo aqui, viu?”

À época da divulgação do vídeo, Claudia alegou que o aparelho foi furtado e que no trecho em que ela teria falado sobre o desvio de R$ 1 bilhão alguma pessoa teria feito alteração no que realmente ela teria dito. Ela ainda afirmou que tudo teria sido uma brincadeira e que era alvo de calúnia para atrapalhar a candidatura dela na época

Por G1

Três prefeitos de cidades do sul da Bahia são investigados por fraudes em contratos que somam R$ 200 milhões


Após operação na manhã desta terça (7), polícia detalhou ação de organização criminosa em coletiva de imprensa; Justiça bloqueou bens e contas correntes deles.

Os prefeitos de Porto Seguro, Eunápolis e Santa Cruz Cabrália, cidades do sul da Bahia, que são alvos da Operação Fraternos, deflagrada nesta terça-feira (7) pela Polícia Federal, não foram encontrados para depor, segundo informou a PF.

Contudo, dos 21 mandados de prisão temporária expedidos, 13 foram cumpridos em Salvador e os outros 8 ainda não foram executados. Além disso, ainda na capital baiana, seis conduções coercitivas, das 18 expedidas, e 20 mandados de busca e apreensão, das 42 determinadas pela PF, foram cumpridas. A polícia não especificou onde ocorreram os mandados.

De acordo com a investigação, eles são suspeitos de fraudar contratos que somam R$ 200 milhões e deveriam ser conduzidos coercitivamente para delegacia na manhã desta terça-feira. Além disso, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão nas cidades administradas pelos prefeitos investigados.

Conforme disse a Polícia Federal, Claudia Oliveira (PSD), de Porto Seguro; José Robério Batista de Oliveira (PSD), de Eunápolis; e Agnelo Santos (PSD), de Santa Cruz Cabrália devem se apresentar à polícia ainda nesta terça-feira para depor. Caso isso não ocorra, a PF deve pedir a prisão preventida deles. Segundo a polícia, Agnelo Santos é irmão de Claudia Oliveira e dono de uma das empresas investigadas pela fraude.

“Ainda durante o dia de hoje a gente vai tentar localizar. Mantivemos contato com advogado, mas caso não haja apresentação, nós estamos estudando a possibilidade de pedir a prisão preventiva. Eles não estavam em nenhum dos endereços procurados pela polícia. Eles não estavam em casa”, informou o superintendente regional da Polícia Federal na Bahia, Daniel Madruga.

O Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1) determinou o afastamento dos três prefeitos por tempo indeterminado e os vice-prefeitos devem assumir. A Justiça Federal determinou ainda o sequestro de bens imóveis e automóveis dos investigados, não só dos prefeitos, como de outros investigados também, além do bloqueio de contas correntes para ressarcimento do erário.

A polícia informou também que os contratos já foram mapeados e algumas licitações tem como objeto a contratação de bandas para festas. A origem do recurso ainda vai ser identificada quando a polícia tiver posse dos contratos para ver qual a fonte utilizada para pagamento deles.

Conforme a investigação, o esquema funcionava da seguinte maneira:

  • As prefeituras abriam as licitações, e empresas ligadas à família simulavam uma competição entre elas. Foi identificada uma “ciranda da propina”, com as empresas dos parentes se revezando na vitória das licitações para camuflar o esquema.
  • Após a contratação da empresa vencedora, parte do dinheiro repassado pela prefeitura era desviado usando “contas de passagem” em nome de terceiros para dificultar a identificação dos destinatários. Em regra, o dinheiro retornava para membros da organização criminosa.
  • A PF ainda não especificou se os prefeitos afastados estão entre os destinatários do dinheiro desviado, mas afirma que repasses foram feitos para empresa de Agnelo Santos, prefeito de Santa Cruz Cabrália, que seria utilizada para lavar o dinheiro ilícito.

Investigação

https://globoplay.globo.com/v/6270762/

Os policiais afirmaram que foi organizada uma “ciranda da propina” nos três municípios baianos, em razão do rodízio que era feito entre as empresas envolvidas no esquema de corrupção para vencer as licitações e tentar “camuflar” as irregularidades.

A Polícia Federal destacou que, em muitos casos, os suspeitos “chegavam ao extremo” de repassar a totalidade do valor contratado a outras empresas do grupo familiar na mesma data em que as prefeituras liberavam o dinheiro. Parte do valor dos contratos era desviado o total de R$ 200 milhões corresponde a cerca de 32 contratos.

“Uma das empresas investigadas transfere recursos para pessoas que colaboram na ocultação desse dinheiro para dificultar a identificação da origem ilícita desses recursos e esses recursos são repassados a uma empresa pertencente a um dos investigados. Havia vínculo familiar entre as empresas e a competição entre as licitações era falso”, explicou o delegado Daniel Madruga.

A Polícia Federal destacou que, em muitos casos, os suspeitos “chegavam ao extremo” de repassar a totalidade do valor contratado a outras empresas do grupo familiar na mesma data em que as prefeituras liberavam o dinheiro. Parte do valor dos contratos era desviado o total de R$ 200 milhões corresponde a cerca de 32 contratos.

“Uma das empresas investigadas transfere recursos para pessoas que colaboram na ocultação desse dinheiro para dificultar a identificação da origem ilícita desses recursos e esses recursos são repassados a uma empresa pertencente a um dos investigados. Havia vínculo familiar entre as empresas e a competição entre as licitações era falso”, explicou o delegado Daniel Madruga.

Vídeo polêmico

Em um vídeo de 2012 divulgado pelo jornal O Globo, a prefeita de Porto Seguro simula um discurso político e fala em desvio de recursos públicos. Claudia diz que iria construir uma ponte que custaria R$ 2 bilhões, e que ela ficaria com R$ 1 bilhão”.

À época, ela era deputada estadual, mas já concorria à prefeitura de Porto Seguro. Dois meses depois, ela foi eleita para esse primeiro mandato. Nesse vídeo, ela simula, aos risos, um discurso político, e fala em desvio de dinheiro público. Ela é alertada que está sendo gravada e continua falando em desviar dinheiro e rindo.

“- Eu colocarei emendas, falei projeto para uma ponte que vai beneficiar toda a comunidade. Uma ponte onde serão investidos dois bilhões. Um bilhão eu fico (risos).

– Ô, ‘tá’ gravado, hein?

– (risos)

– Ô, eu ‘tô’ escutando aqui.

– (risos)

– ‘Tá’ gravado tudo aqui, viu?”

À época da divulgação do vídeo, Claudia Oliveira alegou que o aparelho foi furtado e que no trecho em que ela teria falado sobre o desvio de R$ 1 bilhão alguma pessoa teria feito alteração no que realmente ela teria dito. Ela ainda afirmou que tudo teria sido uma brincadeira e que era alvo de calúnia para atrapalhar a candidatura dela na época.

Sozinho, Temer joga a toalha sobre aprovação da reforma da Previdência


Após a reunião desta segunda-feira (06) com líderes da base aliada, a equipe do presidente Michel Temer fez o seguinte diagnóstico sobre a reforma da Previdência: não será mais aprovada no atual governo.

Publicamente, Temer e seus ministros ainda vão dizer que acreditam numa possibilidade, mesmo que pequena, de aprovar a medida. Mas, reservadamente, o discurso é outro. O Palácio do Planalto não tem força política, sozinho, para bancar a sua aprovação.

Assessores do presidente dizem que ele e seu governo se sentem praticamente sozinhos na batalha pela aprovação da reforma da Previdência. E que, hoje, o Palácio do Planalto não tem os votos para aprovar a proposta e isso ficou mais do que comprovado na reunião com os líderes.

A única possibilidade de uma votação da reforma neste ano seria, na visão de interlocutores de Temer, se a missão fosse abraçada também pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), empresariado e governadores.

“O governo sozinho hoje, está comprovado, não tem força política para aprovar a reforma. A pressão teria de ser feita também pelo Rodrigo Maia e Eunício Oliveira, empresários e governadores. Aí teríamos uma chance”, diz reservadamente um interlocutor do presidente Temer.

Ele destaca que Maia e Eunício defendem a proposta e o governo reconhece isso. Mas, nesse momento, seria necessário mais, uma pressão deles sobre deputados e senadores, com o apoio do empresariado e dos governadores.

A possibilidade de essa ação conjunta acontecer, porém, é vista com ceticismo dentro do Palácio do Planalto. Motivo: os deputados e senadores não estão muito dispostos a votar a reforma da Previdência, considerada por eles um tema muito impopular e que pode prejudicar suas campanhas pela reeleição no ano que vem.

Fonte G1