Adolescente desaparecida há uma semana volta para casa em Teixeira de Freitas


A adolescente desaparecida desde o último dia 26 de abril, em Teixeira de Freitas,  Dagda Hanna Santos, de 13 anos de idade, voltou para casa na manhã desta quinta feira, 02 de Maio.

6

Dagda Hanna Santos, não quis dar muitos detalhes de onde estava, ela apenas informou para a sua mãe, que passou os dias que ficou desaparecida  na rua. Segundo a garota ela não foi influenciada por terceiros e, que teria saído de casa pela sua própria vontade.

De acordo com a  dona Judilene mãe da adolescente, no dia do desaparecimento ela havia saído de casa falando que ia encontrar com o pai no bairro da  Urbis, e deste então não voltou para casa desapareceu. Os pais da adolescente estão separados há mais de 6 anos, e a menina sempre vai visitá-lo.

Ao chegar em casa a mãe  da adolescente Dagda Hanna, quis saber onde ela estava, a menina respondeu que tinha passado esses dias na rua, e que estava passando muito frio e  muita fome. “Pergunto para ela, detalhes e ela não fala nada, estou indo “agora”, para delegacia para ver o que a polícia pode fazer para de ajudar, isso está muito estranho, aparentemente olhando para, ela está bem, mas eu não tenho certeza, o coração de mãe sente algo errado, eu quero saber o que realemte  aconteceu, aproveito para agradecer o kiagito.Net pela força e ajuda”. Judilene mãe de Dagda desabafa.

O site kiagito.Net, contou com o apoio de nossos amigos  que se sensibilizaram, para ajudar na divulgação da foto da adolescente Dagda Hanna na Rede Social “FaceBook”,  parabéns ao nossos amigos!

Por Claydson Motta/kiagito.net

Agente penitenciário teria mandado matar presidiário


Não foi ele o autor do disparo que matou o presidiário do semiaberto; ele mandou matar

A equipe de reportagem do Jornal Alerta recebeu na tarde de terça-feira, 30 de abril, informações privilegiadas sobre o homicídio do preso do regime semiaberto do Conjunto Penal de Teixeira de Freitas, Hélio Conceição Manoel, de 38 anos, assassinado com um único tiro na cabeça na manhã de terça-feira, 23 de abril, na avenida das Galáxias (ladeira do bairro Bonadiman), e de imediato fez contato com o delegado territorial da 8ª Coorpin, Marco Antônio Neves, que estava à frente da apuração do caso e nos adiantou que, embora estivesse no caso, o inquérito estava sendo presidido pelo delegado da DTE/Narcóticos, Dr. Wendel Ferreira, que estava em diligências, e não pôde nos atender.

247

Mas, é fato que o acusado José Antônio Carmo Pereira, o “Pereirinha” (agente penitenciário lotado no Conjunto Penal de Teixeira de Freitas), ao que tudo indica, não matou o presidiário Hélio Conceição Manoel, mas, um agravante: mandou matar por conta de uma suposta traição da esposa, embora esta negue, limitando-se a dizer que houve apenas beijos e abraços, conforme depoimento ao delegado.

O fato

No final do ano passado, o agente “Pereira” passou a usufruir dos serviços de pedreiro da vítima tendo-o contratado para diversas obras, motivou que o levou para dentro de sua casa e mais tarde a fazer amizade com a esposa do mesmo, tendo mantido silêncio sobre a vida de Hélio, de que este era presidiário, tendo, inclusive, participado de churrasco com o Hélio, pois a “amizade” fluía entre ambos, o que supostamente levou-o a confiança familiar.

No entanto, segundo depoimento de testemunhas, a esposa de “Pereira” já não vivia bem com ele e, conforme narrativa do autor, passou a ser ignorado pela esposa, em contrapartida, disse que todas as vezes em que “Pereira” bebia ficava violento e a agredia, o que motivou a prestação de uma queixa na DP por agressão física e moral.

A vítima, por sua vez, sabedor das atitudes do “Pereira”, passou a evitar a esposa do agente, e até prestou um depoimento / queixa à direção da unidade prisional (acostada aos autos do inquérito) sobre uma ameaça de morte feita pelo “Pereira” e outras ameaças de que o mesmo não sairia com facilidade da prisão, pois tudo faria para evitar a sua saída.

Informações extraoficiais dão conta de que “Pereira” chegou a converter-se religiosamente e chegou a reunir-se com Hélio e pedir perdão a ele, mas, o ódio lhe alimentava, pois, no domingo, depois de pedir licença de quatro dias para, supostamente, cuidar da saúde dos pais, ele pegou a arma em casa e saiu.

Um depoimento de um amigo relata que na madrugada do crime ele teria passado orando, mas, mesmo assim, isso não evitou que o algoz matasse Hélio da Conceição Manoel.

O crime

Embora sem peça pericial para corroborar com o fato, tudo leva a crer que os matadores tenham sido dois: um que teria batido com o carro na bicicleta de Hélio, que ficou toda empenada e ele, ao cair, pois estava com os joelhos e rosto ralado, foi morto por um deles, que, é provável, tenha descido do carro e executado a vítima com um único tiro no crânio, enquanto estava caída.

O certo é que esses fatos deverão ser apurados pelo delegado, pois, segundo informações, nem mesmo o “Pereira” sabe quem foi o executor, deve saber quem contratou.

Por: Jornal Alerta / Antônio Carlos Santos Nunes